Saiba como se proteger ao usar WhatsApp Pay

Na última terça-feira (4), o WhatsApp lançou no Brasil uma ferramenta que permite transferência de dinheiro e pagamentos via aplicativo. O WhatsApp Pay chama atenção por não cobrar taxas para enviar ou receber dinheiro, além de ser possível usar cartão pré-pago, de débito ou múltiplo com função débito. Mas é preciso cuidado para usar a nova função.

A Kaspersky, empresa de cibersegurança e privacidade, listou as principais características de segurança do aplicativo. O app utiliza o meio de pagamento ponto-a-ponto, o P2P. Assim, a transferência vai logo de um usuário para outro, sem que saldo fique armazenado.

A empresa também destacou a exigência de autenticação da instituição financeira como ponto positivo. Quando o usuário adiciona um cartão de débito entre os métodos de pagamento, um código temporário é enviado por e-mail ou SMS e é um passo obrigatório para completar o processo. O PIN numérico ou biométrico também é algo favorável à ferramenta.

Caso o usuário mude de celular, a migração não é automática. “Esta medida evita que os criminosos comprometam o cartão de débito da vítima, caso a conta seja roubada. Este golpe, tecnicamente chamado de account takeover, é o mais comum no Brasil e era a principal preocupação desde que rumores do lançamento do serviço por aqui surgiram”, disse o analista de segurança da Kaspersky no Brasil, Fabio Assolini.

O WhatsApp Pay foi liberado no dia 4 de maio. Imagem: Shutterstock

Como se proteger em transações no WhatsApp Pay:

  1. Reativar a conta do WhatsApp o mais rápido possível em caso de perda ou roubo do aparelho. Isso vai desativar o WhatsApp Pay do smartphone perdido ou roubado. Sem o procedimento, o golpista tem a chance de cometer fraudes com a conta da vítima.
  2. Use PIN numérico para autenticar pagamentos. O processo é feito com o sistema operacional do celular e usa a digital já cadastrada. Em caso de roubo, principalmente em situações em que a tela está desbloqueada, o golpista pode cadastrar uma nova digital e ter acesso ao WhatsApp Pay.
  3. Ative recursos de proteção do aplicativo, como a autenticação de dois fatores, para diminuir a possibilidade de fraudes. Pode-se também adicionar um e-mail à conta para evitar golpes através da central de suporte e também ativar o bloqueio do WhatsApp por meio de um PIN numérico

A Kaspersky sugere ainda soluções próprias, como o Internet Security para Android, da empresa. Isso faz com que seja possível, em caso de perda ou roubo, bloquear o telefone de maneira remota e protege o usuário de golpes que acessam o aparelho, como trojans.

“Existem programas financeiros maliciosos que conseguem realizar transferências bancárias acessando remotamente o dispositivo da vítima. Basta uma atualização deste malware para que eles façam uma transação usando o app de mensagem. Mas aqui, a maior responsabilidade de segurança está do lado da pessoa”, completou o analista Fabio Assolini.

Com informações Olhar Digital

Fonte: Segurança na Tecnologia