Mococa (SP) vira ‘praça de guerra’ durante assalto a bancos nesta quarta-feira

Um grupo fortemente armado explodiu, na madrugada desta quarta-feira (7), três agências bancárias do município de Mococa, em São Paulo. Os criminosos ainda usaram explosivos e atiraram em lojas antes de fugirem. Até por volta de 7h, ninguém havia sido preso. As informações são do portal G1. 

Na ação, um guarda municipal ficou ferido ao ser atingido por estilhaços. Segundo o prefeito da cidade, Eduardo Barison, ele recebeu atendimento e não corre risco de vida.

Cerca de três agências bancárias foram atacadas pelo bando, segundo o gestor municipal. Moradores registraram os tiros e filmaram homens armados andando pela cidade e parados em esquinas.

Após atacar as instituições financeiras, o grupo circulou por algumas ruas, atirando contra lojas. Testemunhas relataram ao G1 que muitos tiros e explosões foram ouvidos em toda a cidade durante a ação criminosa.

Câmeras de segurança também registraram carros usados pela quadrilha circulando em conjunto por Mococa. Segundo informações da Polícia, os suspeitos utilizaram entre 8  10 veículos para fugir por uma estrada que leva ao distrito de Igaraí.

RELEMBRE ATAQUES SEMELHANTES

A investigação ainda não informou qual foi o valor em dinheiro roubado pela quadrilha. Um inquérito será instaurado nesta quarta-feira para apurar o caso, e a Polícia Federal ficará responsável pela investigação pelo ataque à agência da Caixa Econômica Federal.

AGÊNCIAS BANCÁRIAS ATACADAS

“Foi a agência [da Caixa Econômica] que eles deram mais atenção. Foram direto explodir o cofre. Provavelmente para levar o dinheiro do auxílio emergencial”, disse o perfeito Eduardo Barison. Entretanto, o benefício, que segue a mesma regra do ano passado, atualmente está disponível apenas para movimentação digital, através do aplicativo Caixa Tem. Os saques em dinheiro ficam disponíveis somente a partir do dia 4 de maio.   

Outras duas agências, do Santander e do Banco Mercantil, também foram atacadas, segundo o gestor municipal. 

NOITE DE TERROR

“Foi uma noite de terror, que começou aproximadamente 1h, nós começamos a ouvir barulho de tiros na cidade e acionamos a chefia da Guarda Civil Metropolitana e da Polícia Militar”, explica Eduardo Barison.

“Quando nós observamos que nossa cidade estava sendo atacada por assaltantes altamente armados. Algo que nunca imaginei ver na nossa cidade. Foi uma cena assustadora”, continuou. 

ARMAS DE FOGO

A quadrilha utilizou fuzis e metralhadoras para atingir as vidraças das lojas. Na ocasião, um guarda municipal ficou ferido pelos estilhaços de vidro em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) em reforma. O profissional da Segurança Pública foi medicado e não corre risco de morrer, informou o prefeito.

Fonte: Diário do Nordeste

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp